Minas Gerais:
(31) 3244-9900

Formigas ganham importância com extinção maciça de espécies

A perda de biodiversidade causada pela ação humana, principalmente entre aves, mamíferos e anfíbios, está abrindo espaço para uma grande expansão do papel ecológico desempenhado pelas formigas, sugere nota publicada, no início de setembro, pela revista Science e que tem entre seus autores o pesquisador Paulo Sérgio Oliveira, do Instituto de Biologia (IB) da Unicamp.

A nota, publicada com um título que evoca um trecho bíblico – “Fauna in Decline: Meek Shall Inherit” (“Declínio da Fauna: Os Humildes Herdarão”) – diz que “muitas das espécies de vertebrados que têm sido extirpadas localmente ou se encontram em declínio são herbívoras, dispersoras de sementes ou granívoras. Portanto, à medida que o Antropoceno avança, invertebrados – e, notavelmente, as formigas – serão os herdeiros prospectivos dessas interações entre plantas e animais”. “Granívoras” são espécies que consomem grãos e sementes, e “Antropoceno” é o nome informal dado à Era Geológica atual, marcada pela ação humana sobre o meio. “Eles pegaram aquele segmento bíblico para chamar atenção dos leitores da Science para a nota. Ou seja, os pequenininhos, os modestos e os humildes herdarão as interações com as plantas”, disse Oliveira ao Jornal da Unicamp. “A gente levou um susto quando viu o título bíblico, porque não era o que havíamos sugerido”.

Entre os vertebrados terrestres, 322 espécies se extinguiram desde 1500, e as populações das espécies sobreviventes encontram-se em declínio. “Esses declínios terão um efeito cascata no funcionamento dos ecossistemas e no bem-estar humano”, adverte o artigo, que tem como principal autor Rodolfo Dirzo, da Universidade Stanford.

Biomassa

O comentário dos brasileiros lembra que as formigas, em geral, sofrem menos com as perturbações causadas pela atividade humana, são extremamente abundantes e interagem com várias outras espécies de insetos, plantas e vertebrados.

“Mas, ao contrário do que a nossa intuição visual nos diz, se a gente pegasse todos os bichos que a gente encontra na floresta Amazônica e colocasse numa bolsa, pegasse essa bolsa e colocasse numa balança, a maior parte do peso da bolsa é de bichinho pequeno, que não é vertebrado. Então, isso significa o quê? Que grande parte da energia da floresta que não está sob a forma de planta, está sob a forma de bichinho pequeno, e não sob a forma de bichos grandes que a gente tende a valorizar. As formigas e cupins, por exemplo, são insetos sociais(vivem em colônias de dezenas a milhões de indivíduos) e representam conjuntamente cerca de 30% da biomassa animal da floresta Amazônica”.

Frutos

O pesquisador explica que cerca de 90% dos arbustos e das árvores em ecossistemas tropicais dependem da interação com animais para dispersar suas sementes. “Essas árvores têm frutos atrativos, de polpa carnosa, gostosa, nutritiva e visualmente chamativa”, que atraem animais como aves e macacos. Esses animais removem o fruto da copa e, de alguma forma, fazem com que cheguem ao chão, dispersando as sementes. “Com esses bichos desaparecendo, a dispersão de sementes fica comprometida. Porque, quem vai arrancar os frutos da copa das árvores? Aí entram os bichinhos pequenos”.

Estudos realizados pelo grupo de Oliveira na Unicamp mostram que, uma vez no solo, as sementes passam por um processo de dispersão secundária, realizado pelas formigas. “O que a formiga está interessada é na parte carnosa do fruto, que ela utilizar para alimentar as irmãs que ainda estão sob a forma de larvas, lá dentro do formigueiro”. Ao remover os restos de polpa, as formigas deixam a semente limpa, protegendo-a da infestação por fungos no chão úmido da mata e facilitando a germinação.

Mesmo formigas carnívoras, explicou o pesquisador, cumprem uma função na dispersão de sementes. “Essas formigas gostam de trazer para casa proteína e gordura. Saem para caçar cupim, lagarta, outras formigas”, disse ele. “Só que muitos frutos, que são dispersos por macacos, passarinhos, têm a polpa rica em gordura e proteína. Isso faz com que as formigas carnívoras se interessem por eles, porque é muito melhor pegar um fruto que não vai brigar com você na hora de ser capturado”.

Novo papel

Com o progressivo desaparecimento dos animais que fazem a dispersão primária das sementes, o papel das formigas na ecologia das árvores tende a ganhar mais importância, afirma a nota na Science. “Se os frutos deixam de ser coletados na copa e carregados para longe, mais deles cairão no chão junto à árvore e ficarão disponíveis para as formigas”, disse Oliveira. “Com esses bichos maiores ficando cada vez mais raros, a quantidade de fruto que é removida da copa para algum lugar por aves ou mamíferos vai ficando progressivamente menor. Assim, a proporção do que chega ao chão vai ficando progressivamente maior. É esse o nosso ponto da nota”.

“Em um hectare de Floresta Amazônica, você vai contar 8 milhões de formigas no solo. Então, imagina 8 milhões de bichinhos num quadrado de um hectare (100 m x 100 m), saindo de casa para trazer comida para casa”, ressaltou.

Esse novo protagonismo das formigas trará consequências. “Acho que o impacto disso afeta muito mais a gente do que imaginamos”, disse o pesquisador. “Sumindo a bicharada grande, vamos começar a notar, no nosso dia a dia, coisas que a gente não percebia. Sem a bicharada grande, as sementes não vão poder mais ser levadas para longe. Então, a capacidade de regeneração das florestas começa a ser reduzida, porque os frutos vão ter uma distância de dispersão muito menor”.

Além disso, lembra ele, muitos dos animais que comem frutos e dispersam sementes também comem insetos. Com o desaparecimento desses vertebrados, infestações de insetos, como mosquitos, podem se tornar mais comuns. “E a bicharada grande também poliniza plantas. Sumir com beija-flores, por exemplo, significa reduzir frutos. Flores que não são polinizadas não produzem frutos”.

Resistência

Formigas também são mais resistentes às agressões humanas ao meio ambiente que outros insetos, como abelhas e borboletas. Em alguns casos, elas até mesmo prosperam após a intervenção do homem, com consequências para os ecossistemas.

“A saúva, por exemplo, é uma formiga que corta folhas para levar para o formigueiro, onde cultiva um fungo como alimento. Mas o bicho-preguiça também come folha, alguns macacos também comem folha, a anta come folha”, explicou Oliveira. “Então, vários desses vertebrados, além de comerem frutos na copa das árvores, também comem folhas. Com eles desaparecendo, quem que tende a ser o principal herbívoro das florestas? A saúva”.

Ele prossegue: “O papel delas como herbívoras, então, vai ficando progressivamente maior. E qual a importância disso? Se as saúvas vão ficando cada vez mais importantes nos lugares de onde os vertebrados vão sumindo, elas podem afetar quais plantas vão prosperar, ou não, na floresta. Se a saúva ficar muito importante, as plantas de que elas mais gostam vão começar a desaparecer, com o risco de alterar a composição da floresta”.

A nota dos brasileiros na Science teve como principal autor o pesquisador Alexander Vicente Christianini. Atualmente na UFSCar-Sorocaba, Christianini foi orientado, em seu doutorado, por Oliveira, na Unicamp.

Fonte: http://www.unicamp.br/unicamp/ju/607/formigas-ganham-importancia-com-extincao-macica-de-especies

 

 

LIGUE PARA A UNIPRAG MAIS PRÓXIMA DE VOCÊ

Ou envie-nos uma mensagem pelo formulário abaixo: